segunda-feira, 23 de novembro de 2009

ESCOLHAS

A partir de hoje estou escolhendo seguir em frente.
A partir de agora estou escolhendo não mais me deixar entorpecer pelas lembranças ruins..
A partir de agora estou dando preferência a fatos e informações que vão me agregar sentimentos bons..
..estou fazendo escolhas, estou selecionando melhor meus pensamentos, minhas palavras e minhas atitudes..
..estou guiando com rédeas curtas a matilha de lobos ferozes que habita a minha mente..
e, de certa maneira, a nova realidade vai se fazendo presente, dando lugar a uma nova rotina.
Tenho me imposto um ritmo de trabalho mais lento, mais tranquilo, meio que indo contra a minha própria natureza, me propondo um desafio diário, o de realizar uma atividade por vez, deixando que minha mente se adapte a este novo ritmo.
"Slow down" é a mensagem que predomina na minha alma,"tranquilidade" tem sido a palavra de ordem ultimamente e palavras como "devagar", "com calma", "lentamente" e "só 1 minutinho senhor" são constantes no meu discurso..
Não tenho como consertar meus erros, não posso trazer o passado de volta e transformar os acontecimentos futuros, sou a favor do tempo, gosto da maneira que o tempo muda as pessoas, sempre apreciei a maneira que a vida nos faz ajoelhar e pedir perdão.. se arrepender..
..da mesma maneira que aprecio a forma sábia que ela nos faz crescer, aprender com os erros.. te faz querer ser uma pessoa melhor..
Sim eu me arrependo de muita coisa
muita coisa poderia ter sido diferente.. mas não foi
então bola pra frente

a vida continua, o show não pode parar..
É difícil não seguir em frente, quando tudo na sua vida te empurra pra isso..
É difícil se manter inerte, quando tanta coisa importante e ao mesmo tempo fascinante depende da sua atenção e dedicação para se resolver..
Então eu me concentro no trabalho..
..e deixo ele me fazer feliz!

Impossível não se deixar enternecer pela história da gatinha siamesa mestiça e estrábica, abandonada em um apartamento, sem água e sem comida, amamentando 07 gatinhos, ela foi trazida por um policial que arrombou a casa. Os gatinhos já estavam na idade de serem desmamados, então assim que chegaram, foi oferecido ração e eles comeram muito, a mamãe deu mais trabalho, estava muito desidratada e desnutrida, beirando a inanição, demorou para recuperar, mas logo logo ela mostrou a nós todos o quanto que o coração de mãe é enorme..

Enquanto ela se reestabelecia, a tristeza dela se fazia presente, os gatinhos tiveram que ser separados dela, era o certo a se fazer..

Alguns dias depois, chegou um gatinho de cerca de 4 ou 5 dias, encontrado na rua, de toda a ninhada, milagrosamente sobrou só ele, magrinho, zóinho fechadinho, cabeçudo, miando de fome, tentávamos dar mamadeira, mas ele muito ansioso não conseguia entender que daquele bico de plástico saía leite, tentamos o que foi possível, mas a mudança brusca da dieta também estava deixando ele com as fezes muito secas, ele não conseguia evacuar, e a barriguinha ficava muito dura, com gases..

Seria necessário todo um esforço em equipe, para fazer mamadeira a cada 2 horas, massagem abdominal, medicações para eliminar o excesso de gases e uma baita paciência, elemento que anda cada vez mais raro aqui pelos corredores do hospital.. E foi pensando em tudo isso, com a cabeça a mil, com cliente me esperando na sala, pensando no Raio X que eu já deveria ter feito, a caminho de atender um telefonema ...passando pela internação dos felinos com o filhotinho em uma mão, a mamadeira na outra, fichas de internação embaixo do braço e com alguns papéis de anotações na boca, quando a mamãe gata viu o gatinho, ela estava deitada daquele jeito gostoso que todo gato fica quando esta entediado, mas foi bater os olhos azuis e vesgos no filhote que ela já se levantou, começou a miar alto, e se esfregar na grade da gaiola, insistindo pela minha atenção, como se a pequena criaturinha que estava nas minhas mãos pertencesse a ela.. como se a vida dela dependesse disso..

Foi o momento que tudo parou, eu não sabia, mas momentos assim iam se tornar cada vez mais constantes na minha vida, um silêncio tomou conta da minha alma, fui tomado por uma capacidade de me concentrar nas minhas atividades de uma maneira que geralmente eu não consigo.. larguei tudo que eu tinha por fazer e deixei a natureza agir, entreguei o gatinho para a mamãe, ela lambeu ele todo, ele sentiu a presença e o cuidado de uma alma mais experiente e pode relaxar, a mamãe deitou de ladinho, ele se aninhou na barriga dela e pode mamar, e ela ficou lá, ronronando, dando de mamar, e amassando pão com as garrinhas.. ela já estava bem melhor do que quando deu entrada, era isso que ela tinha a me dizer, mesmo passando por tudo que ela havia passado, ainda havia disposição para adotar mais um rebentinho, acho que é assim que a natureza mostra a sua sabedoria, a mãe natureza, com seu talento único para a maternidade, decidiu que poderia me ajudar na rotina pediátrica do bebê, e ainda me quebrou um galhão..

Quando você sente a força da natureza trabalhando ao seu favor, não há tristeza que resista, não fui apenas um mero coadjuvante, assistindo estático o desenrolar dos fatos, eu estava lá, eu testemunhei, mas também fiz parte do processo.. e é assim que eu tenho aprendido a valorizar minha missão nesse planeta, nessa cidade, nesse hospital..

O dia a dia vai nos mostrando que nossas mãos são ferramentas divinas para fazer a diferença, é parte do que nos torna uma pessoa melhor..
É parte do que redime nossos pecados..
É assim com todo mundo, e eu torço para que cada um encontre sua vocação, seu talento, torço para que cada um encontre uma razão para seguir, para dar o seu melhor..
A batalha pessoal e diária que ajuda a crescer e seguir em frente..

É assim também com a filhote de sagui que caiu da árvore..
..a mamãe sagui desceu gritando e quase pegou ela da palma da minha mão, sem nenhum medo..
Foi assim com o gavião que ficou órfão..
Com a maritaca que se perdeu do bando..
Com a mamãe gambá que veio com 4 filhotes e um arame farpado atravessado no bracinho..
Com a coruja que quebrou uma asa e teve que ser amputada..
Com a iguana que está deprimida porque perdeu seu companheiro..
Com a Pit Bull que tem que ser mantida sob efeito de sedativo para não devorar o curativo da 3ª cirurgia no joelho..
Com o Golden que não pensa em mais nada além de lamber a pata, até ficar em carne viva..
Com o São Bernardo que mal pode andar de tão gordo..
Com o Dachshund que comeu panceta no final de semana..
Com o viralatinha sem vacinas que pegou Cinomose.. e sarou!
O gato que tomou um tiro de chumbinho na cara..
O nefropata que vem todo dia tomar soro.. já tem quase 20 anos, nem anda.. mas o orgulho da proprietária não deixa que ele siga para o gramado infinito..
..e até com o Yorkshire que veio com o olho esquerdo saltado para fora..
..a tentativa de redução não deu certo, e o olho teve que ser removido, e agora a dona não consegue nem olhar para a carinha dele, de dó, de medo, de nojo, sei lá.. humanos são tão estranhos, tão difíceis de entender..
O companheiro dele, um Boxer bobão não ligou não..
..lambeu ele todo assim como se dissesse: Poxa que saudades caraa!!!!

São muitas as histórias..
Oportunidades de se superar, de mostrar que você não está aqui pra brincadeira..
Foi assim que eu me redimi.. e enfim pude aprender a domar meus demônios..
Sou um cara grande, e o problema tinha que ser grande..
e foi com um Terra Nova de 78 Kg.. lindo.. que eu repensei minha conduta..

Já carregou um mamute??

Pois é, muita gente acha que um cachorro grande tem que ter 90, 100 Kgs, mas tente carregar um de 60 pra você ver a encrenca, um de 50 já é barra, cães são animais difíceis de se carregar, o contorno da "cinturinha" é muito grande, todo o peso da carcaça se concentra entre o tórax e o abdome, na hora que você tira as patas do chão, eles perdem a referência e tentam apoiar os membros em qualquer lugar, o que resulta em movimentos frenéticos de pedalada em sentido aleatório e chutes em todas as direções, procurando uma superfície em que possam se apoiar.. mais lembrando uma minhoca se contorcendo de maneira absurdamente vigorosa e descoordenada, fora o cabeção, que deve pesar uns 20 Kgs..

E o desafio do dia, seria logo pela manhã radiografar o cotovelo dessa criatura adorável e gigantesca.. o que se seguiu foram momentos que eu definiria como a mais grotesca mistura de "Apocalipse now!", "Platoon" e "Good Morning Vietnã", com pitadas de "Gladiator" e "Brave Heart", depois de um suador danado, numa sala mais quente que o suvaco do capeta, conseguimos posicionar a besta sobre a mesa de Raio X, foi quando eu constatei que meu jaleco ficara preso entre a pata do mamute e a mesa..

É quando a recepcionista entra na sala e diz: "- Dotôr, a proprietária quer saber por que tá demorando tanto o raio X.." puta ódio dessa gente que pensa que clínica veterinária é o McDonalds!!

Então era essa a cena: aquele cão enorme / imenso, no esplendor dos seus 78 Kgs, arfando que nem um urso, com aquela expressão pacífica que só os molossóides possuem, a linguona pendurada pra fora e aqueles olhos caídos, não haveria rompante grande o suficiente que o tirasse do seu estado de graça, não haveria chingo ou mesmo um palavrão sujo o suficiente que o faria mover aquela pata de mamute 1 cm que fosse..

E eu ainda teria que fazer tudo o mais rápido possível, porque a madame não pode esperar..

Como uma besta maior ainda, só que com 110 Kgs, eu tentei puxar o jaleco, foi quando ouvi um som de pano que ia se rasgar, aquela costura safada, sobre o tecido que já fora lavado e centrifugado mais de uma centena de vezes para que estivesse sempre branquinho não ia resistir..

Foi esse o momento que eu decidi..

..ou eu me entregava ao desespero, dava vazão a minha irritação, todo o stress acumulado nesses ultimos dias / meses com fúria Coreana.. Poderia descontar o meu cansaço, toda a cobrança e o peso que se avolumava nas minhas costas, para fazer um milhão de atividades intrincadas em dois minutos, e ainda sorrindo.. poderia me vingar do mundo, descontando a raiva e a frustração de ver mais um lar desfeito, de ver a minha parceira ir embora.. poderia dar um esporro em quem estivesse em volta, chingar o cachorro, mandar todo mundo tomar no c*, nesse c*r*lh* de clínica, nesse calor da p*rr*, usando uma m*rd* de um jaleco que me esquenta pra c*r*lh*! ! ! ! !

..ou eu poderia deixar a raiva fluir, deixar as mágoas para trás.. dar uma fungada profunda.. segurar a respiração, ouvir os batimentos do meu coração, sentir o fluxo sanguíneo preencher minhas veias, indo e vindo.. poderia soltar o ar.. respirar mais lentamente, relaxar a musculatura do maxilar, dos meus ombros.. poderia desenrugar a testa e mexer os dedos, poderia começar a achar tudo isso engraçado, divertido.. poderia pensar nas mil maneiras de escrever sobre isto, nas maneiras que eu poderia contar esta história e fazer alguém sorrir.. eu poderia melhorar o dia de alguém, poderia ensinar algo sobre auto-controle.. eu poderia usar a mim mesmo em um experimento valioso sobre as nossas escolhas, sobre a condição humana, minha natureza contraditória e sobre o que realmente importa nessa vida..

Lembrei do sorriso da minha garota, lembrei de como as bochechas dela ficavam redondinhas e seu nariz ficava franzido, tão natural, tão lindo..

Me imaginei junto com ela, na sorveteria, longe dali..

Me lembrei da última vez que nos sentamos na pedra em frente a nossa casa.. olhando os caminhões na estrada..

..da última vez que andamos de mãos dadas no gramado..

..de quando fazíamos compras, lotando o carrinho do supermercado de coisas gostosas..

Me lembrei de quando conversávamos em frente a casa dela dentro do carro..

..da maneira que sentíamos o nenê se mexer dentro da sua barrigona de grávida..

Me imaginei dirigindo em uma estrada larga, plana e ensolarada, ouvindo Revolution do Cult

tudo isso passou né Alê..


(..silêncio)


eu abri a mão, soltei o jaleco..

..fiquei olhando pra minha mão, do jeito que ela se fecha, e se abre, olhei as veias, senti movimentar os ossos, os músculos, e os tendões estralando.. pensei na maneira como ela formiga de vez em quando..

..lembrei de como era fácil, há um tempo atrás, fechar o punho e direciona-lo direto no nariz de quem me tirava a paciência..

..lembrei o quanto eu tive vontade de fazer isso, deveria ter feito, milhões de vezes..

..mas não o fiz..

O principe dos anjos que caíram em desgraça, um segundo antes de cometer seu erro mais idiota

..e de repente o silêncio foi sumindo, a escuridão foi desaparecendo..
olhei de novo para a minha mão..
olhei para a pata do mamute..
uma estranha força mexia na minha boca, modificando a minha face..
minhas bochechas se elevaram
os cantos dos olhos se enrugaram
passei a mão na cabeça..
uma força estranha irresistível subia do meu peito, para a minha garganta
de repente o ar se projetou para fora, dando voz a estas sensações

..e eu ri..
hehe.. haha.. meio tímido e desconfiado no começo, mas me entreguei..
e o pessoal que estava em volta, se entreolhando, foi relaxando, e sorrindo também..
o riso sincero, verdadeiro, preencheu nossos corações, nossas almas..
era uma situação engraçada, desgraçadamente cômica, não deu para escapar de me tornar uma piada.. eu até que faço bem esse papel..
Já com lágrimas nos olhos, e ao som de risos que já se tornavam gargalhadas naquela sala quente.. eu respirei fundo, e soltei a clássica: "- Só um momentinho senhora.."
..e me voltei para a turba já quase esbaforida de tanto rir..


Então..


Decidi que vou parar de pensar no que deu errado..
No fim algumas coisas deram errado, mas poderiam ter dado mais errado ainda..
Hoje decidi que vou parar de focar minha energia, tentando puxar da memória (que a essas alturas não anda nada boua..) momentos em que eu mandei mal, que eu estava sem paciência....vou me esforçar menos para ficar relembrando os momentos em que eu tomei a decisão errada, que eu proclamei injúrias, quando deveria ter ficado calado..

Hoje decidi que vou deixar as memórias dos momentos ruins partirem, vou deixar a mente se reciclar..

Quando a vida lhe oferece um sonho muito além de todas as suas espectativas, me parece meio irracional se lamentar quando isso chega ao fim

Vou fortalecer a minha fé no perdão, vou semear trabalho, correr atras do meu crescimento profisional, pois acho que essa é a única maneira que funciona pra mim..

Tenho dado mais importancia em vivenciar os momentos, tenho dado mais importancia na minha respiração..

Em focar a minha atenção no que se desenrola diante dos meus olhos, tenho segurado mais firmemente as rédeas dos cavalos que guiam a carruagem e tenho tentado impor um ritmo mais lento e preciso aos meus pensamentos..

Lição de casa:

Dominar os meus medos, sejam eles lobos, cavalos, monstros, fantasmas, ..

..tomem eles a forma que quiserem..

Acredito na sorte
Acredito nos fatos
Acredito na ciência
Acredito na vida
e acredito em mim..

O momento de seguir no automático, já passou..

Nenhum comentário:

Postar um comentário