sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

QUAL É O SEU SONHO?

A medida que o tempo vai passando vou entendendo quão sutilmente o universo se comunica conosco..

Por aqui tem chovido muito nos ultimos dias, deve ter caído um galho em algum poste e acabei ficando no escuro, tentei dormir.. mas não dava, tentei me distrair da melhor forma, confesso que ando pouco criativo, e sem a tal da energia elétrica, as opções são poucas..tentei cozinhar, mas o feijão ficou salgado e o arroz ficou sem gosto... tentei ocupar a cabeça com algo que me permitisse esquecer que a qualquer momento a luz pudesse voltar, tentei ler, mas ando sem cabeça até pra isso. Tentei ficar olhando para o nada, deixando que as imagens do meu sub consciente se projetassem pelas paredes, ví e reví o filme da minha vida zilhões de vezes, os melhores e os piores momentos.. a chuva forte e incessante não dava tregua, talvez uma caminhada pela noite escura fosse uma opção, ..mas essa chuva..
Tive de me contentar lavando louça mesmo.. sempre tento agregar alguma dignidade a esse serviço, na verdade lavar louça pra mim sempre foi uma ótima terapia..

Bem mais agradável que o banho gelado que eu acabara de tomar, não deu pra adiar, eu finalmente havia terminado de pintar a nossa ex-casa, o meticuloso processo de livrar o imóvel de qualquer vestígio de habitação se deu por terminado, mas eu estava cheio de tinta amarela da cabeça aos pés..

Enquanto a água terrívelmente gelada escorria pelo meu corpo sujo de tinta, ainda me lembrava de como a mulher da padaria havia me tratado mal, só porque eu tava descalço e cheio de tinta na camiseta, na cara, nas mãos e no pouco cabelo que ainda me resta.. Antes disso, quando fui ao banco dar de cara com o meu incrível saldo de R$ 7,30, passei por um cliente do Hospital e ele nem me reconheceu nos meus trajes de homem - tinta - na - cara..

Sabe, melhor assim, já foi o tempo que eu me incomodava com quem julga as pessoas pela aparência, além do mais não há mágoa que um bom banho gelado - geladíssimo não cure..

Aiai..Será que a luz ainda demora pra voltar???

O escuro chega e vai tomando conta, começo a fazer arte com a cera da vela derretida, e isso meio que acaba me inspirando.. preciso de um papel, uma caneta, vai a luz de velas mesmo, como se fazia na época medieval!! Sozinho nessa escuridão, me dei conta que meu encéfalo processava melhor as frases e pensamentos que minha mente havia captado nos ultimos dias, as mensagens subliminares que corriam pelos meus feixes neurais ganhavam forma e conteúdo, alguns me confortavam, outros me preocupavam;
"A sanidade é uma mentira confortável"..
"O pavor é uma aventura que todo mundo deveria experimentar"
..ou "As ciências são falhas, as religiões são falhas, porque o homem é falho"
..de onde veio isso??
..como chamava aquele filme mesmo??
..eu ouvi ou li essa frase??
..que solo de guitarra é esse que não sai da minha cabeça??
O filme da minha vida que se passa diante dos meus olhos me agrada mais do que me aborrece, mas me deixa repleto de perguntas estranhas e difíceis..

Antes era a faculdade, aquela intersecção de vidas, sonhos, opiniões e experiências fascinantes..

Agora é o trabalho.. penso na trajetória, penso na viagem.. e penso no viajante..

Vejo nossos estagiários hoje e me transporto para a época que eu era um deles, lembro da maneira que, em muitos momentos, você é levado a acreditar que todo um sistema de ensino existe apenas para te confundir a respeito dos seus objetivos na vida..

Me lembro da época da faculdade, quando eu era um mero estudante, e meu grande amigo veterinário, o Dr Marcelo, batia em casa as vezes, aos domingos, 6 e meia da manhã, para que eu fosse ajudá-lo em alguma atividade insalubre, ao que eu sempre fui muito grato. Reinando sobre a crença de que tudo é aprendizado, o repertório era amplo, e sempre nos surpreendia, poderíamos vacinar cães ultra ferozes, fazer soro em uma égua, atender um maluco em domicílio, tirar um gato da árvore pra trocar curativo, desengasgar um coelho, fazer uma castração ou até suturar o casco de uma tartaruga. Certa vez fomos desatolar uma vaca.. aí chegamos lá e a coitada estava parindo, no lamaçal.. cheguei em casa sujo de lama e fluídos amnióticos dos pés até o último fio de cabelo - sim, nessa época eu tinha cabelo - esse meu grande amigo, o "Maio", sempre arrumava um jeito de deixar meus períodos de ócio mais divertidos e, ao contrário dos meus professores, me incentivou muito a ver a profissão por um angulo mais reto, e menos cheio de firulas, e me mostrou na prática o grande ensinamento que rege que, salvo raras excessões, médicos veterinários não tem final de semana, nem férias, nem feriado..
Me lembro claramente da equação que, enquanto mais conhecimento eu adquiria, menores eram meus períodos de descanso..

Me lembro das inúteis visitas as quais éramos conduzidos, em algumas aulas práticas, para aprender como funcionam mundos que eu não tinha a menor vontade, nem o menor talento para fazer parte. Visitas a abatedouros, criações de frango, criadouros de gado de corte.. Olhar nos olhos de uma vaquinha que logo logo seria eletrocutada, dependurada, perfurada e picada em centenas de pedacinhos realmente nunca foi a minha balada favorita.. Eu me lembro da crise existencial que eu tive ao visitar um entreposto de processamento de produtos derivados de peixe.. meu camarada, que inferno! ..aquele cheiro de menstruação de sereia me castigando as narinas me fez acreditar que nunca mais eu colocaria na boca nada que viesse do mar..

Hoje em dia meus dilemas como clínico são menos profundos, a restrita possibilidade humana de interferir nos designios da natureza e os obstáculos impostos pela limitação de recursos estão sempre nos rondando, isso é uma realidade nada fácil de aceitar, até tentei mudar essa realidade, juro que tentei, mas comecei a ser mais feiz quando aprendi que certas coisas nessa vida simplesmente não mudam..

Esses dias topei com outro grande amigo dos tempos da faculdade, ele veio fazer tipo um teste aqui no hospital onde trabalho, foi bom poder colocar o papo em dia, e ver que assim como eu, meu amigo também deu voltas e voltas para chegar a mesma conclusão que eu cheguei um dia.. de que não vale a pena se matar por um ideal, seja ele qual for..

Eu explico, quando falo de "se matar", não me refiro a morte rápida e brusca, aquela vitória que vale a sua vida, aquela que se conquista heróicamente após uma batalha ferrenha.. me refiro aqui a batalha do dia a dia, aquela que te mata cada dia mais um pouco, a morte lenta que te mostra da forma mais dolorida que não vai haver outro caminho na vida a não ser este, em que você se vê perdendo a sua saúde física e mental e não ganhando nada em troca.. nem dignidade, nem admiração, nenhum título de nobreza por parte dos que te cercam..

A diferença é que ele aprendeu isso no hospital veterinário mais conceituado do Brasil, e eu no pior buraco desse mundo.. Hoje ele diz com orgulho que está muito feliz na sua pizzaria!

Creio que nesse ponto, nas nossas conversas, relembrando amigos e colegas, discutindo condutas e ressaltando merecidamente a genialidade e o sucesso de alguns.. pude argumentar que nossa classe se divide em diversos tipos de profissionais:

Há os que desistem antes de se formar..
Há os que se formam e aí desistem, por inúmeras razões: Falta de coragem, falta de estímulo, decepção com a extrema dificuldade de colocação no mercado de trabalho, com a concorrência desleal, ou os que se apavoram na primeira hemorragia.. os motivos são muitos e não cabe a mim julgá-los..
Há os que trabalham dentro da sua bolha, no seu mundinho, não se atualizam, se tornam obsoletos, mas vivem felizes..
Há também os que vivem se atualizando, acumulando uma imensa quantidade de conhecimento dentro de suas cabeças e também são felizes assim..
Há os que escrevem blogs..
..e há os que constróem carreiras meteóricas, adquirem prática, excelência de conhecimento e ..desistem de tudo!

Foi quando me ví embasbacado, ao saber que outro grande profissional com o qual eu aprendi muito, fechara seu centro de diagnóstico para trabalhar na empresa da esposa como representante comercial... Ressalto que não cabe a mim julgar as atitudes, mesmo porque, em certo momento, ligar o "foda-se" e jogar tudo para o alto também me pareceu uma proposta bem tentadora, quase que irrecusável..

..LIVING ON THE EDGE

É difícil delimitar exatamente quando ocorre, mas é mais ou menos perto do momento em que você para de ligar para seus amigos formados há mais tempo, para perguntar como se trata diarréia, ascite ou sarna demodécica, é um pouco depois que você percebe que consegue coletar sangue da jugular, e que pode pegar a veia de qualquer ser vivo, administrar soluções através delas e vê que pode ganhar dinheiro com isso..você se acha demasiado confiante, demasiado invencível que não liga mais para seus amigos - formados há mais tempo ou não - você não liga mais para nenhum deles. É quando você já está num caminho sem volta.. É quando a melhor opção é largar a namorada que diz que você trabalha demais.. não retorna mais as ligações dos seus pais, deixa tudo que é paralelo para depois, afinal você conseguiu seu lugar ao sol, sente que seu perfil se encaixa, a sensação que os esforços - e os gastos - da facu não foram em vão, o cheiro de peixe, o barro na cara, o olhar da vaquinha te trouxeram aqui.. Agora não mais o medo de fracassar, e sim a busca pelo sucesso a qquer custo, você assiste palestras, compra livros, DVD´s de técnica cirúrgica, digere medicina, almoça janta e dorme abraçado aos seus periódicos.. Você fica dopado pelo barato, tira cochilos na sala de Raio X, deixa de almoçar, faz seu lanche na mesa de atendimento, deixa seus amigos de lado, troca o descanso pelo plantão, troca o churrasco pela transfusão, troca o cinema pela intussuscepção, troca o casamento de um grande amigo pela torção gástrica..

E é exatamente aí que a vida te pega na curva, a fase da necessidade de realização plena também passa, e você começa a encarar aquilo como + um trabalho normal, é quando você começa a valorizar coisas como férias, finais de semana e feriados.. Dia após dia, atendimento após atendimento você está pedindo arrego, o cansaço bate, a falta de grana, seus clientes advogados, arquitetos, psicólogos, engenheiros trocando de carro, indo viajar nas férias com a família, vê aquela galera reunida no barzinho de domingo e começa a se perguntar o que há de errado na sua escolha..

Dorme mal a noite e de manhã acorda com o celular: "Corre que tá cheio de cliente esperandooo!!!!" É quando o cãozinho com cinomose a ser eutanasiado e o gatinho sem olho já não tocam a sua alma, nada toca o lugar onde antes pulsava uma alma caridosa capaz de curar com o simples toque da mão.. está muito estressado para ver qualquer beleza na profissão. O cão idoso que volta a andar após 2 meses travado já não é grande coisa.. pois sua vida tá cinza, você tem crises de choro, crises de raiva, crises de riso histérico, tonturas, dores de cabeça, vomitos, mau humor crônico, chiliques intermitentes, problemas de pele, calvície, pesadelos e tão logo está destruindo telefones de shopping..
Pois é, e você que era um cara tão legal..

Seus atrasos para os compromissos com a família - isso quando você resolve dar o ar da sua graça - os despertares abruptos no meio da noite, os telefonemas constantes, suas horas extras não remuneradas começam a fazer você perder o respeito da parceira, ela que era sua maior fã começa a querer virar sua inimiga.. porque ela também tem as suas razões, porque ela se cansa, se não se cansa POR você, ela se cansa DE você, afinal você nunca está ali, está com a cachorra, com a gata, com a papagaia, com a periquita, com a gambá quando elas precisam, mas não está em casa quando ela também começa a ter as suas crises de choro, se perguntando se realmente fez a escolha certa..

Você tenta ser lógico, tenta argumentar, mas em cima do quê? De algo que simplesmente é assim e nem você entende direito como chegou a este ponto?? Porque bem antes disso, já sentia o peso da responsabilidade sobre aquelas vidas internadas, a vontade de sumir dali e não ter ninguém com o mínimo de competência pra deixar no seu lugar, o gosto amargo de não ser valorizado como qualquer coisa que não seja um médico de bicho, de não ser reconhecido no seu momento mais desgastante, ninguém pode te ajudar, seus amigos desistiram de te procurar, sua mina te deu as costas.. É quando vê que você obteve exito profissional, mas fracassou em todo o resto, tentou construir um lar, sonhou o sonho, mas fracassou..

Veterinário é uma classe em que 80% dos profissionais trabalham sem qquer registro, sem horário para ir embora ou sem direito a qquer benefício ou encargo trabalhista..

..ou é dono de clínica e se fode 24 horas atrás de grana para arcar com as despesas do seu quadro de funcionários, sem poder tirar férias porque se o cãozinho da madame passar mal e ela não te encontrar no celular ela vai pra clínica do concorrente metendo o pau em você..

..ou é funcionário, vendedor, esperando duas horas pra falar com um clínico cuzão mau humorado, vivendo para realizar o sonho dos outros, cumprindo ordens e abaixando a cabeça.. tomando esporro do patrão, vivendo com um medo da porra de ser substituído, despedido ou processado por algum cliente nóia..
Sei lá.. são tantas as variáveis, eu ando por aí e vejo cada história mais desgraçada que a outra, amigos que desistiram de clinicar, companheiros que tinham um sonho e foram devorados pela realidade impiedosa..

Eu, só estou atras do MEU sonho..

..meu sonho????

..meu sonho é me manter vivo meu amigo!
..é sobreviver nesse mundo, é manter a mente sadia, meu coração batendo e minha alma pulsando por algo que faça sentido.. algo que me faça sentir útil, algo que me conceda alguma nobreza..
Meu sonho é ser amado, é ser compreendido!
Sonho com o dia em que as coisas que eu não posso mudar, não sejam usadas contra mim..
Meu sonho é fazer a diferença nesse mundo cheio de falsidade, desespero e desengano..
Meu sonho é ensinar, crescer, ajudar as pessoas, é acrescentar aos meus atos uma boa dose de humanidade, sem parecer pedante..
..ainda sonho com um amor, sonho com uma bela alma com um sorriso lindo, sonho com as várias histórias de amor que vivi, e imploro para que estes sonhos nunca terminem..
Sonho em conhecer belos lugares, e sonho que nestas viagens, esteja comigo a pessoa que eu amo, para que de mãos dadas possamos descobrir juntos como é infinita a obra de Deus..
Sonho em aplacar a dor e o sofrimento dos animais, e que se isso não for possível em vida, que eu possa encaminhá-los da maneira mais suave ao gramado infinito..
Meu sonho é me tornar hábil na arte de ser desnecessário, para quando chegar a hora, que eu possa partir com dignidade, e a plena sensação do dever cumprido..
Porque até nesse momento não vai ser fácil ver a tristeza estampada nos rostinhos das pessoas que eu amei nesse mundo, e que me acompanharam até o fim..

Sonho em continuar sonhando..
Projetando imagens cada vez melhores nas paredes da minha casa..
e se eu posso fazer isso até que a luz se acenda..
..espero continuar fazendo até o dia que a luz suavemente se apague..

Um comentário:

  1. É, meu amigo...a vida...
    Não sei se é amiga ou inimiga. Às vezes me pego pensando...
    Meu sonho? Já sonhei tanto...sonhei com meu jaleco, que hj está abandonado, bordado meu nome, tecido importado, bonito que só. Um sonho branco, dobrado e guardado em um armário.
    Já sonhei com dinheiro, mas esse não é certeza de muita felicidade. De conforto, sim, mas não de felicidade.
    Já sonhei com uma vida errante, morar na praia, viver de observar baleias e golfinhos.
    Hoje? Meu sonho é o que estou lutando para construir. Quero ser esposa, mãe, mulher. Quero acordar de manhã e ver o rosto do homem que amo. Quero descer as escadas e fazer o café da minha filha. QUero ir lá fora alimentar os cães. Quero ir ao cinema com minha família. Quero trabalhar o suficiente para ter conforto, e não para ser escrava do dinheiro.
    Quero ser voluntária, fazer a diferença.
    Quero morrer em paz. Comigo e com o mundo. Quero ter a certeza de que farei falta para alguém. Quero encontrar meus bichos no céu.

    E se nada for assim, que pelo menos eu não perca a capacidade de reformular meus sonhos.

    Saudades, meu amigo.

    Beijo.

    ResponderExcluir