quinta-feira, 9 de setembro de 2010

DIA DO VETERINÁRIO.. sem stress hoje OK?!


"No mundo a todos se ensina que perder a mente é loucura.
Essa não é toda a verdade, porque nenhum louco jamais perde a mente; na verdade, o louco está perdido NA mente, sua mente se tornou uma selva, e ele não pode encontrar a saída. Não é que ele tenha perdido a mente; ele está perdido na sua mente. Ele é mais mente do que jamais foi.

O louco tem mais mente do que você. A sua mente não é tão incontrolável, nem tão vasta, nem tão rápida; ela tem tamanho normal, é manejável. O louco se perdeu nos vastos e ilimitados pensamentos, desejos e sonhos.

Assim a frase: "perder a mente é loucura" não está correta;
ela precisa ser mudada. Perder-se NA mente é loucura.

E, se vc entende isso, então a definição de sanidade é simples: sair da mente para o ar livre, para o silêncio, onde nenhum pensamento o perturbe.

Você é simplesmente um poço de silêncio, sem ondulação alguma - isso se chama sanidade."


Sabe, tem horas que me lembro de certos dias, lá no começo, quando eu ainda engatinhava na profissão, me lembro que tudo parecia ter uma dimensão gigantesca. Os desafios, as provações e toda a sorte de tropeços que empurram a gente pra crescer na vida.. São seis anos nessa vidaloca.. não é muito, concordo, e tudo passou tão rápido.. uma tempestade de sentidos, sentimentos, acontecimentos trágicos que me fizeram muito bem e outros muito felizes que me afetaram de forma muito negativa..

Hoje, nesse dia, confesso que fica difícil distinguir uma coisa da outra, o momento que eu estou atravessando na vida pode pesar muito nessa balança, a soma de dois fatores pode, e muitas vezes, resulta em um valor muito menor do que as partes.. em contrapartida, quando a gente começa a juntar os cacos dos sonhos que se partiram, as lições que sobram são tão valiosas..

Por muito tempo foi difícil separar a vida pessoal da profissional, e acho que ainda vou levar um tempão pra poder tirar esse assunto de letra.. é que desde o começo essa linha nunca se mostrou tão clara.. Desde a facu a gente interrompe o que tá fazendo quando aparece a "sagrada oportunidade" de brincar de ser veterinário.. todo final de semana eu fazia planos de viagens e churrascos que eu acabava nem indo porque aparecia cirurgia de emergência, parto, intoxicação ou até um atendimento pra ajudar.. o que a gente ganha?? financeiramente nada, só experiência mesmo.. mas é aprendizado, a vida é assim, a gente perde hoje e ganha amanha.. e acredite, a experiência de ontem REALMENTE pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso total de hoje!

Que arremesse o primeiro carimbo quem nunca fez receita em guardanapo, folha de caderno ou saco de papel! Que veterinário nunca esteve em uma festa, bar ou churrasco e pediram pra dar uma "olhadinha" no "cachorrinho" que está com uma "coceirinha"..

Eu sei, vc vai dizer que a gente não se valoriza.. e coisa e tal.. hoje eu não faço mais isso, eu desenvolvi uma cara de pau tão cara de pau quanto a cara de pau da pessoa que te pede uma coisa dessas.. mas toda regra tem sua excessão não é mesmo?!

O fato é que são tantas coisas a se pensar.. a se sentir.. essa equação tem tantas variáveis.. a vida é tão complexa que na maioria das vezes a chavinha que seleciona o MODO VET e o MODO VIDA PESSOAL emperra, e a gente fica a deriva nesse mar de sentimentos, sentidos, compromissos, promessas, filosofias, condutas e o próprio ego.. vc perde a clareza, perde a sanidade, fica doidinho mesmo.. e a tendência é piorar, se não conseguir entender que a vida pessoal e a profissão são uma coisa só e saber caminhar ileso por entre elas, é apenas mais uma especialidade em que vc vai ter que se tornar mestre..

UM CARNAVAL INESQUECÍVEL

Eu nunca gostei de carnaval.. nem um pouco. Mesmo na época em que o mundo parecia parar, e os dias de folga eram uma certeza, nesses tempos eu era da turma que sempre que podia, desfrutava do privilégio de poder se isolar da civilização. Nas ruas e nos meios de comunicação, a rotina da nossa vida é toda virada do avesso pela euforia exagerada que insiste em tomar conta desse nosso povo... eu preferia sumir, me isolar, me enterrar a sete palmos do chão, prender a respiração, segurar.. Ficava incomunicável e avesso as festividades, mas logo voltava..


Era assim.. isso, claro, até cair na real. Até a gente perceber que cachorro também come palitinho de churrasco, borda de pizza e até chumbinho nos dias de carnaval.. os estomagos torcem, as feridas inflamam, os pulmões continuam se enchendo de fluído, os tumores continuam crescendo, as bicheiras vão fervilhando e a gente descobre que diarréias com sangue não emendam os feriados..

Era mais um dia fodido na clínica de Poá, acho que era uma segunda de carnaval, a cidade em polvorosa. Me lembro que a Clínica era na avenida central, justo a rua que fechavam pra passar o desfile, a única barreira entre o consultório e o caos total, era o vidro da janela e a calçada.. daí pra frente era a folia.. atrapalhando de maneira fenomenal toda a nossa rotina, mas principalmente o embarque e desembarque dos animais que chegavam de Taxi Dog.. naquele tempo a vida não podia parar, para nós da clínica não havia feriado, e nem escala para datas festivas ou plantão, nada disso. Então as castrações, as consultas, as visitas aos animais internados e toda a avalanche de urgências que não poderiam esperar, vinham como uma enxurrada, levando embora nosso horário de almoço, nosso jornalzinho, nosso cafezinho e a nossa internet sagrada.. em dias assim, até o Banho & Tosa funcionava, fazendo com que o numerário de gente infeliz fosse grande, um aglomerado de mentes dando vazão aos questionamentos sobre ter escolhido ou não a "carreira certa" deixava o clima de trabalho pesado, mas não da minha parte, nessa época eu era a parte da equipe que tentava erguer os ânimos e prezar para que tudo corresse nos conformes, sob sol ou chuva, fosse Copa do Mundo, Carnaval, visita do Papa ou dia da Santa Querupita!

Eu acreditava cara, só isso.. eu era o frente daquela porra, e no que dependesse de mim as discussões internas seriam abafadas, as consultas seriam feitas com sorriso no rosto, as emergências seriam resolvidas, os internados seriam reavaliados e medicados direitinho, os retornos seriam feitos e os curativos seriam todos trocados!

O desãnimo, as intriguinhas, as queixas e os questionamentos iriam esperar, era assim que deveria ser, eu tinha um sonho, tinha ambição e tinha uma missão.. tudo dependia de mim! E eu amava isso!

Eu suava dentro da camisa branca enquanto as pessoas normais de folga na rua, enchendo a cara, explodindo as mãos com rojões, batendo carros, fazendo arruaça e atropelando vira-latas..

Naquela semana, atendi a maior gama de bebuns de toda a minha vida, eles não entendiam as doenças, não entendiam os tratamentos e muito menos o nomes dos remédios.. e na hora de pagar era aquela coisa, camarada esquece a senha do cartão, arrota, erra o cheque, reclama e sai trupicando..

aiaiai..

Mas, por pior que fosse, o dia sempre chegava no fim, e nessas horas a gente sempre agradecia a benção de fechar o caixa, derramar aquela cerva, e poder ir pra casa feliz, tomar um banho, se livrar da suarda e dar uma esticada..

Ledo engano..

No caminho ainda me lembrei que andava em dívida com a namorada, havia tempos eu estava prometendo um passeio, uns drinks em algum lugar calmo em que a gente pudesse se afastar dessa loucura de carnaval dos infernos, cheguei em casa, janta delícia na mesa, ela estava toda esperançosa..

..eu também..

Desabotoei a camisa, joguei o sapato pro lado e sentei no sofá..

..aiai nada como a vida no lar..

prililili.. toca o celular..

Nessa época eu tinha um telefone Nokia tijolão vermelho que tinha uns toques MUITO irritantes, foi meu primeiro celular, eu tinha uma vontade insana de arremessá-lo na parede, só de ouvir aqueles sons insuportáveis que ele emitia, esse dia não foi diferente.. a chamada era da clínica..

"AlixÃdri, - ele pronunciava meu nome de maneira estranha - é melhor você vir pra cá, tem um Fila aqui com a barriga maior que a de nóis dois juntos!" Eitacaralha.. poderia ser piometra.. "É fêmea?" perguntei... "Não é macho!" Putz fodeu.. torsão..

Abotoa a camisa, bota a meia suada e calça o sapato ainda quente.. ela ficou muito puta..

Eu só não fiquei mais puto do que o outro médico, um veterinariozinho japones de 270 anos e 1 metro e vinte de altura, que trabalhava com a gente e estava de folga, mas foi solicitado a comparecer na base do esporro..

Deveriam ser uma oito da noite e o desfile estava no auge, o ribombo dos surdos e das pandeirolas fazia tremer meu cérebro.. a avenida estava fechada, estrumbada de populares, latas amassadas no chão e foliões interditando meu caminho, então eu tive que deixar o carro láááá longe e seguir a pé até a clínica, com a corja de moribundos se esfregando, suando, vomitando e tentando me abraçar, se perguntando se essa minha cara de mau humor em pleno dia de alegria era uma fantasia de médico - ogro ou WTF??


Chega lá todo mundo feliz pra caralho.. eu deveria entender, que em dias como esse só o patrão se orgulha de ter um negócio que funciona tanto na Copa do Mundo, no Carnaval, na visita do Papa quanto no dia da Santa Querupita.. ele não é veterinário e na hora da lambança ele empurra pra vc e sai fora.. que bosta.. cara, mal dava pra conversar dentro da clínica!!! Cade o dog?? Proprietário já assinou o termo?? Tem uma coquinha aí???
..e lá fora o sambão comendo quente:


Olha o Dotor aí geeeente!! tunchiquitum chiquitumtundum...mete um ketapum na veia deeeleeeeee!!! tundirirumtacatumtundum!! e abre.. abre o bucho dele!!! tundaratundumcum!!!..e vem, aí vem o conteúdo gastrico fedido pra car@lh#!! tunchiquidumchiquiridumtun....e tá com bucho virado, não dá pra entubar.. en-tu-bar!!! chiquidumchiquidumtundum ..e derrama.. derrama o suco gástrico na calça.. e suja.. suja o chão, sapateia e escorrega na sujeira .. mas que beleza.. é coisa linda sapateando no suco gástrico!!!! oilalá..pracatatum tundum


Quesito imundície no centro cirúrgico:

Nota.. ..10!!!

Cheguei em casa quase meia - noite.. ela dormia.. será que sobrou janta???

Nessa hora comecei a pensar que as vezes o céu pode estar fantasiado de inferno, da mesma forma que o inferno pode ter cara de céu.. Pensei no que eu estava fazendo, a cabeça tão cheia, tão ligada, tão acelerada.. o corpo quebrado.. deitei no sofá e apaguei pensando nessas coisas, e procurando uma maneira de sair desse ciclo de maluquice..

e encontrei.. muito tempo depois..

Mais um dia fodido na clínica.. era pra eu entrar de manhã e sair de tarde, tinha planejado um final de semana legal com a minha linda, eu precisava disso, ela também. Entrei as 7 da manhã, e já eram umas 3 da tarde quando um cliente decidiu que queria tirar um nódulo do cotovelo do seu Pastor Alemão, esse cliente era amigo pessoal do dono da clínica, e queria tudo na hora.. eu estava cansado, havia acordado cedo, não havia sido um dia fácil e eu havia prometido a mim mesmo que não iria me irritar, não hoje.. decidi deixar no automático e me deixei levar, ele fechou um precinho camarada e a ciru ia rolar..

Pensei: 3 da tarde agora, anestesia, abre, sutura ali, fecha, curativo.. uma hora, duas.. seis da tarde to livre!

Tentei não pensar no pior, na minha cabeça tudo correria tranquilo, é um nódulo meio estranho.. e eu entoava o mantra: "fim de semana vai ser tãããão bom.."

Quem me dera.. o "nódulo" que parecia superficial estava enraizado na capsula articular e nos tendões, e a neovascularização promovida pelo tumor deixou aquela área toda hemorrágica, com milhares de micro - veias sangrando MUITO! A musculatura estava friável, parecia uma esponja! Pra piorar o cão ainda devia estar com algum déficit de coagulação, pois seu sangue estava ralo, aguado.. estava sangrando demais!!

Não bastasse isso, a cada 30 segundos vinha alguém dizer: "Tem consulta dotôr!" "Tem vacina dotôr!" "Tem um tiozinho aí que quer falar com vc dotôr!" "Num-sei-quem tá esperando dotôr!" "A dona do Fonfas quer só tirar uma dúvida com vc dotôr!"e eu naquela: "Pede pra esperar, se não quiser pede pra voltar mais tarde.." repeti isso umas 30 vezes, acho que isso é o mínimo que se pode esperar de uma recepcionista né, segurar a recepção, conter a ansiedade do povo e não ficar interrompendo os procedimentos a cada 30 segundos!

Tenso.. aí teve uma hora que veio o dono da clínica dizendo; "Porra a recepção tá cheia, vai demorar muito aÊ?!" estourei: "Vai vai demorar sim car@lh#! Tá f#d@ essa p#rr@ e nem sei que horas vai terminar essa m&rd@! Segura tua onda aí e me deixa trabalhar sossegado P#RR@!!"

A cirurgia terminou 9 da noite, meu nervoso não passava, só piorava, meu corpo não atendia a demanda de raciocínio da minha mente acelerada, os fios arrebentavam, não tinha margem pra suturar, a anestesia estava instável, o acesso venoso do cachorro se perdeu umas 10 vezes.. minhas mãos não obedeciam.. quando acreditei estar no final, tive que abrir de novo, pois o sangue já empapava todo o curativo.. a(s) hemorragia(s) haviam deixado marcas na minha roupa, nos meus sapatos e na minha alma, estava com ódio de tudo e de todos. Principalmente de mim mesmo.. como eu poderia fazer aquilo comigo mesmo?? Resolvi uns assuntos burocráticos, só respondendo sim e não, só pensava em sumir dali, fui embora.. queria esmurrar alguém, senti vontade de matar, mas só podia descontar em mim mesmo, parei no caminho de casa e comi uma pizza inteira..

Na hora que o o dono da pizzaria viu aquele cara enorme careca de roupa branca cheio de manchas de sangue e cara de psicopata, acabou providenciando a pizza mais rápida da história, acho que esperei uns 3 minutos, não sei dizer ao certo

Isso tudo me desestabilizou, passei o final de semana cabisbaixo, tive insonia, o pouco que dormi sonhei com sangue e mais sangue, sonhei que me afogava num mar de sangue ralo.. lá longe o celular tocava e eu não conseguia alcançá-lo para atender.. sonhava que estava operando e que sumia a pinça, que sumia a agulha, que apagava a luz.. aquela cirurgia interminável.. tive crises de choro, em uma delas eu disse pra mim mesmo em frente ao espelho: "Não dá mais pra mim não.."

Martelava na cabeça milhões de vezes "pq não fizeram ao menos um hemograma??" sendo que quem deveria ter feito isso era eu..

Você nunca se livra totalmente de uma crise dessas, sempre que algo parecido acontece é como se vc revivesse esse pesadelo e trouxesse a tona todo esse desespero e dor.. eu tinha que parar.. eram quase 3 anos sem férias.. em ritmo alucinante.. passei da conta!

Tirei uma férias, voltei bem, mas logo estava pilhado de novo, depois de umas semanas acabei pedindo desligamento..

Estava enlouquecendo.. "Perdido nos meus pensamentos, desejos e sonhos"

Reformulei minhas propostas de vida, logo arrumei outro emprego bem melhor, mas que também acabou sendo substrato para outra crise, essa mais introspectiva, mas não menos intensa e nebulosa.. o inferno havia se fantasiado de céu mais uma vez, e eu demorei pra perceber..

Surtei, e surtei legal, larguei tudo.. buscando algo que fizesse sentido, fiz a minha viagem, aprendi o que era necesário aprender e tentei tirar o melhor disso.. agora estou bem, estou ao ar livre, no silêncio, onde nenhum pensamento me perturba..

"Um homem quando está em paz não quer guerra com ninguém.." não é assim que diz a canção?

Sei que as coisas não mudam, o que muda é a maneira que olhamos para elas.. para mim tem ajudado manter os objetivos sempre claros na minha mente.. um dia tranquilo, pisar na grama, sentir o sol aquecer a pele, a arte de respirar e manter a calma.. um choppinho no bar com os amigos, uma relação de amor sincero e verdadeiro, que não absorva toda a minha energia vital atraves de chantagens emocionais.. daquelas que a gente faz o bem simplesmente porque acha que deve, e isso basta! ..estaria mentindo se dissesse que não sou feliz!

Tenho dado mais valor as pessoas que dividem o dia a dia comigo, são as pessoas de quem eu realmente dependo para realizar um bom trabalho..

Um dia após o outro. A paz começa dentro da gente. É por isso que todo dia antes de iniciar as atividades, eu ouço um Neil Young e faço questão de dizer:

"Sem stress hoje OK!?"

Essa é melhor forma que encontrei de me tornar um poço de silêncio, sem ondulação alguma!

Vale a pena tentar!



Nenhum comentário:

Postar um comentário