sábado, 4 de setembro de 2010

Ela & Eu..

Fazia muito tempo que eu não parava para admirá-la. A primeira vez que o fiz ainda era muito jovem, muito romantico, muito sonhador.. Hoje já se passaram muitos anos, sinto que só não sou mais tão jovem..

A noite estava morna e havia pouca gente por perto, quase que inconscientemente, fui me afastando do churrasco e andei lentamente em direção a margem da piscina.. sentei-me numa espreguiçadeira, deixei meus pensamentos passearem com os ruidos da noite e voltei a pensar nela..

Já naquela época eu a achava linda, maravilhosa, exuberante, mas também inatingível! Ela estava muito distante, éramos de mundos muito diferentes, acho que nem em meus pensamentos eu seria capaz de alcançá-la. Mas mesmo assim ela embalou muitos dos meus sonhos, caminhadas e outros momentos de solidão..

Hoje lembro de maneira quase irônica da maneira que ela sempre esteve presente em meus sonhos juvenis, e da maneira simplória que eu sempre tentei capturá-la em fotos.. desenhos.. escrevi sobre a imortalidade dessa paixão adolescente nos meus primeiros versos..

Quando nos juntávamos ao redor da fogueira nas pedras, quando eu atravessava os pastos desse mundo a pé na escuridão, ou se eu adormecia na rede, deitado com as cachorras na grama do jardim ou na areia quente da praia, eu a sentia tão próxima, velando meu sono até o dia clarear!

É, muito tempo passou.. e eu cresci, como todo mundo, encontrei meu caminho, aprendi a contemplar outras belezas.. conheci novos encantos, corri atras de outros sonhos, a gente cresce, mas nunca deixa de sonhar como criança.. e de se iludir com o que parece imortal..

E ela sempre lá.. eterna.. sábia.. ela sempre pareceu saber o que estava por vir..

De repente, olhando para as águas mansas da piscina eu a ví.. Linda, maravilhosa, exuberante e.. perto.. tão perto que poderia tocá-la!

Estremeci, nunca me havia passado pelo pensamento poder tocá-la, refreei o gesto.. era só um reflexo..

Levantei meu olhar em direção ao céu e lá estava ela.. uma lua cheia brilhante, mais alva do que nunca!

Recostei-me na espreguiçadeira, dei mais um gole na cerveja e fiquei admirando-a por um longo tempo.. senti saudades do meu tempo de garoto... senti saudades da minha inocência, senti saudades daquele tempo em que tudo parecia eterno..


Senti uma melancolia pelo tempo que ví correr pelas minhas mãos..

..mas me senti grato por chegar até aqui..

e sobretudo, senti mais uma vez, ela velar meu sono, até o dia clarear..





Um comentário:

  1. O tempo passa, né, Alê...
    Passa, voa, escorre, enfim...se vai...
    Sinto também uma certa melancolia doída quando olho a lua. Vejo nela refletida meus anseios quando criança, quando adolescente chorosa, que clamava pelo amor de algum guri da escola, quando ela entrava pela minha janela no meu apartamento em SJBV, quando tantas vezes ela me embalou em minha pequena varandinha em minha edícula em SJC.
    Quantas coisas ela guardou de mim. Quantas vezes ela me viu chorar.
    Será que ela algum dia se deu conta de quem era eu? Acho que não...
    Mas aquele coelho que fica lá dentro, sentado, meio curvadinho, ainda etsá lá. Ainda que só nos meus pensamentos...
    Beijos, Ale. E Feliz Dia do Vet pra vc hoje.

    ResponderExcluir