quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

F E S T A D U R O


Minhas efusivas saudações a mim mesmo que após 10 anos de formado, pela primeira vez na vida, folguei no natal  AND ano novo!!!


  





daora a vida


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

21 . 12 . 2012

Você.. no fim do mundo:

EXPECTATIVA:



REALIDADE:



6ª F E I R A 21.12.12








Hoje é sexta feira dia de fumar um fim do mundo e tomar uma dose de arrebatamento. Aproveite para fazer aquele despacho que consiste em jogar sal grosso em um grande pedaço de picanha, corar um limão, misturar com cachaça, açúcar e oferecer a Nossa Senhora da Enzima Hepática.

Se o fim do mundo vier mesmo, espero que tenhas aproveitado a estadia. Mas se não for o caso, guarde esta data com o marco de um novo recomeço e viva a plenitude dos próximos dias. 

Faça valer a pena, o poder está em suas mãos!!!




quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Hoje.. depois de tanto tempo acordando sozinho, as coisas foram diferentes. Não era loira nem morena, na verdade nem tinha cabelo, na verdade nem tinha cabeça. Era uma lagartixa.. Uma lagartixa sem cabeça e com as tripas para fora, em cima do meu travesseiro. Um meigo presente de natal da minha gata. 

Ainda não sei o que devo fazer para retribuir a gentileza..





sexta-feira, 14 de dezembro de 2012






"Às vezes é necessário fechar algumas portas, não por orgulho ou arrogância, e sim porque elas já não levam a lugar nenhum." 

F. Oliveira

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

ADRENAL, BOLO ESFARELADO E MARISA MONTE


Ontem senti alguma coisa aqui dentro brilhar, de uma maneira que eu não sentia ja faz algum tempo. Muitas vezes acreditamos que não veremos recompensa nas coisas que fazemos para nós mesmos. Há o momento de traçar metas, assim como o tempo hábil determinado para cumprí-las, então seguimos meio que no automático, aguardando florescerem os resultados.. até que eles florescem, de um lugar de onde nem imaginavamos que fossem aparecer, e muitas vezes no momento mais inesperado.

Sensação de dever bem cumprido, e não foi por causa de bicho não, não tomei lambida de agradecimento, não curei ninguém e não livrei alma nenhuma de correr pelo gramado infinito. 

Desta vez o dever cumprido foi comigo mesmo!!

Dia bem corrido alias, tipo aqueles que começam com uma ressaca em Campinas e o GPS dando pau > se perde > se encontra > volta pra Vinhedo > pega a Sra. Iuca > voa pro estagio em SP > se perde de novo > café > café > mais café > sai do estagio > ta sem gasolina > procura posto > se perde de novo > almoça meio pacote de Ruffles > se encontra de novo > cai no rodoanel tudo parado > segue pra Jundiai fazer exame > encontra a adrenal pela primeira vez na vidaaaa alegrialegriaaaa > corre pra Vinhedo > deixa a Sra. Iuca em casa e segue pra Campinas de novo, pra soltar as notas dos alunos e receber os trabalhos de recuperação.. Nem lembrava, mas era dia de confraternização dos professores. Ainda bem, puta fome!!

Atrasado, a mesa de acepipes parecia ter sido atacada por uma horda de piratas bárbaros, sobrando apenas migalhas do que parecia ter sido um pão italiano.. algumas frutas, coca quente, água mineral e pedaços de uma espécie de bolo meio natalino, todo esfarelado, que por sinal estava uma delicia.. pra mim tá otemo!!

Sentei meio de canto, enquanto mastigava uma pêra, via os professores se abraçando, rindo e falando coisas de professores.

Esse lance de dar aula, apareceu pra mim por pura sorte. Nessa vida a gente só não pode deixar passar a oportunidade de beber de graça, conhecer gente e ampliar os horizontes profissionais. Ainda mais quando o trabalho que era tão legal, se torna uma prisão. Quando já não se consegue mais se ver, praticando aquilo dentro de 5 anos ou mais, na verdade acredito que não teria suportado nem mais alguns meses. Sempre tive grande interesse em diagnóstico por imagens, sempre busquei aprimoramento e, tentando conciliar as duas atividades, jamais achei que um dia teria que fazer essa escolha, mas a vida é assim não é mesmo?? Pessoas desistem, se reinventam, procuram alternativas, e na minha história como clinico geral não foi diferente, mas falarei sobre isso em maiores detalhes mais pra frente;

Sempre admirei meus professores, mesmo os mais chatos guardavam uma dignidade única. A vida toda me vi inspirado por mentes brilhantes que realmente fizeram a diferença na minha maneira de ver o mundo, e mesmo sendo um aluno de fundão por excelência, sempre me imaginei lá na frente. No fim, acho que esse meu jeito de comediante stand up de boteco me ajudou bastante. Me lembro como eram chatas algumas disciplinas na facu e tive um extenso e monótono aprendizado sobre o que NÃO fazer nestas ocasiões.

Me lembro dos fiascos das apresentações no tempo da escola, a humilhações a que fui submetido em frente de toda a turma - nessa época não tinha bullying, e depressão infantil era falta do que fazer, ou falta de surra - Me lembro de quando tinha pânico de falar em público na faculdade, apresentação de TCC. Do curso pra veterinários que administramos no hospital me lembro da sensação de tripas se retorcendo, a gagueira, a boca seca, a falta de ar e a "síndrome do não saber o que fazer com as mãos" que me deixava aflito.. e a maneira engraçada com que tudo isso um dia, de repente, desapareceu.. e hoje me pego dando bronca em aluno que dorme na sala de aula.. eu dormia também, mas ao menos me preocupava em disfarçar

De qualquer maneira, sempre vi o módulo de técnicas radiológicas veterinárias - dentro de um curso técnico em radiologia humana - como uma disciplina meio isolada, da qual eu não poderia exigir ou cobrar muito dos alunos. Logo no primeiro dia de aula, quando perguntei se havia alguém ali que não gostava de bicho, e as tímidas quatro ou cinco mãozinhas se levantaram e eu entendi que o interesse não seria unânime. Eu não tenho amigos, nem sequer conhecidos que não gostem de bicho. Não sei como raciocinam e não sei como se comportam pessoas que não gostam de bicho, não sei lidar nem argumentar com esse tipo de gente.. Além disso não participei de nenhuma reunião com o corpo docente, não apareci em nenhum conselho de classe e só dirigi a palavra a outros professores de maneira bem apressada, tipo quando estava atrasado procurando a minha sala ou para fazer funcionar o projetor.

A escola tinha uma série de regras quanto a vestimenta, a postura dos professores, e uma em especial sobre as barbas também, que eu fiz questão de nunca ter tomado conhecimento

O clima acadêmico é de austeridade, mas ainda assim, consegui autorização para entrar com a Sra. Iuca Maria* nas dependências do colégio, para as aulas práticas de posicionamento, coisa que nunca haviam imaginado que seria possível. No ofício de solicitação, descrevi como “paciente vivo da espécie canina” e me perguntaram “se era isso mesmo” o que para mim soou bem engraçado, uma vez a palavra “paciente” já me trás a clara noção de que eles são “vivos e da espécie canina” – ou felina!!




Prazer! Sra Iuca Maria



Vê? Eles nunca haviam imaginado um cão ou gato sendo posicionado para radiografia, e isso é tão somente o mundo em que vivo, o trabalho que desenvolvo todos os dias. E a total falta de conhecimento destas pessoas nesta área, foi parte muito importante do me que fez acreditar que eu seria útil dentro daquela instituição.

Enfim, lá estava eu saboreando os farelos de bolo, com passas e amendoas quando comecei ouvir um bochicho com o meu nome envolvido, “mimimiveterinário.. mimimomoalexandre.. mimimomomimiradiologia” fingi que não era comigo, mas um grupo de senhoras que aparentava ser do alto escalão de alguma coisa muito importante, começou a andar em minha direção. Humildemente me levantei, e comecei a bater com as mãos no rosto e na roupa, tinha certeza que ia tomar bronca, e pensei que poderia fazer isso pelo menos sem migalhas de bolo na barba ou na camisa

Eu não poderia estar mais equivocado. O que seguiu foram palavras amistosas, palavras doces de agradecimento, de incentivo pela criatividade e pela dedicação. A palavra “exemplo” foi citada. Disse que queria ter conhecido a Sra Iuca, e que a repercussão do que havíamos feito foi imensa. Abraços e longos apertos de mão, sorrisos e mais palavras doces de estímulo e apoio, me parabenizando pela escolha da bela profissão. Eu ouvia, com um sorriso tímido, me esforçando para que a minha saliva desse forma ao bolo de farelo dentro da minha boca, para que ele tomasse forma e descesse pela goela abaixo

Aquela senhora muito simpática, era nada menos do que a FUNDADORA da escola, a patroa de todos, a presidenta, a madre superiora, a dona do puteiro.. E eu apenas consegui agradecer as belas palavras quando ela e seu cordão de acessores, auxiliares, secretárias, fotógrafos e imediatos já se afastava

Entrei no carro e a Marisa Monte estava me esperando com aquela musica "Depois.." ainda tentei resistir, mas acabei me deixando levar pela melancolia da letra e a voz triste dela

Chorei feito uma bicha velha




quarta-feira, 5 de dezembro de 2012